terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Cinder de Marissa Meyer

Sinopse

Com dezasseis anos, Cinder é considerada pela sociedade como um erro tecnológico. Para a madrasta, é um fardo. No entanto, ser cyborg também tem algumas vantagens: as suas ligações cerebrais conferem-lhe uma prodigiosa capacidade para reparar aparelhos (autómatos, planadores, as suas partes defeituosas) e fazem dela a melhor especialista em mecânica de Nova Pequim. É esta reputação que leva o príncipe Kai a abordá-la na oficina onde trabalha, para que lhe repare um andróide antes do baile anual.

Em tom de gracejo, o príncipe diz tratar-se de «um caso de segurança nacional», mas Cinder desconfia que o assunto é mais sério do que dá a entender.

Ansiosa por impressionar o príncipe, as intenções de Cinder são transtornadas quando a irmã mais nova, e sua única amiga humana, é contagiada pela peste fatal que há uma década devasta a Terra. A madrasta de Cinder atribui-lhe a culpa da doença da filha e oferece o corpo da enteada como cobaia para as investigações clínicas relacionadas com a praga, uma «honra» à qual ninguém até então sobreviveu. Mas os cientistas não tardam a descobrir que a nova cobaia apresenta características que a tornam única. Uma particularidade pela qual há quem esteja disposto a matar.

A Minha Opinião

Cinder é um daqueles livros de que toda a gente fala, especialmente na comunidade de Booktubers, e que já há algum tempo despertava a minha curiosidade. Verdade seja dita, uma versão moderna da história da Cinderela ambientada numa Beijing futurista e que envolve cyborgs é daquelas combinações que de início podemos estranhar, mas que nos atraiem e que nos levam a pegar neste livro com algumas expectativas.

Confesso que não sabia muito bem o que esperar deste livro. O conceito parecia bastante interessante e invulgar, mas tinha algum receio de que a autora não tivesse conseguido concretizar esta ideia da melhor forma. Convenhamos, havia muita coisa que podia falhar! Felizmente, não foi esse o caso e Cinder acabou por se revelar uma leitura bastante agradável.
A ideia da história é bastante curiosa e cativante. É completamente inesperado colocar Cinderela (neste caso Cinder) num ambiente tão diferente da história original, mas penso que a autora fez um excelente trabalho. Era impossível não criar paralelismos com o que conhecía da história original, mas também não fiquei com a sensação que de era completamente despropositado ou inverosímil colocar Cinder neste novo ambiente. Fiquei, aliás, com a ideia de que a autora conseguiu criar uma harmonia interessante entre os elementos do ambiente original e os de Nova Beijing.
No entanto, há que reconhecer que existiam algumas falhas. Penso que a autora deixou no ar demasiadas questões, nomedamente quanto ao surgimento do povo dos Lunares e quanto ao que tinha originado o conflito com este povo, assim como também não ficou claro o porquê de tanto preconceito contra os cyborgs. Fiquei com a sensação de que a história estava inacabada e penso que isso acabou por comprometer as bases deste novo mundo, o que, em última instância, fez com que não ficasse completamente rendida à história.

Relativamente às personagens, devo admitir que não fiquei particularmente fascinada com Cinder. Achei-lhe alguma piada e gostei do facto de a sua história estar tão fiél ao original. No entanto, enquadrava-se no típico cliché da protagonista dos livros de YA e a sua história acabava por ser demasiado previsível; uma rapariga discreta, oprimida pela madrasta (uma personagem verdadeiramente desagradável e odiosa) que, no entanto, possuía uma conjunto de características que a tornavam única. Contudo, acho que era inevitável não cair neste padrão, especialmente porque Cinder não deixa de ser um conto de fadas, estilo que, geralmente, também entra neste tipo de clichés.

As minhas personagens preferidas foram, sem dúvida, Kai e Iko. O primeiro porque tinha ideias muito próprias, era bastante fiél ao seus princípios e porque, ao fim e ao cabo, sabia atribuir prioridades e tinha consciencia que, enquanto governante, havia que colocar o interesse e bem-estar do seu povo em primeiro lugar. Já Iko era verdadeiramente adorável. Não pude evitar alguns sorrisos nos momentos protagonizados por esta personagem e gostei bastante da sua amizade com Cinder e do facto de ser tão protectora em relação a ela.

Finalmente, devo ainda acrescentar que, apesar de se um livro que se lê bastante bem e que nos cativa desde o princípio, houve momento em que desliguei um pouco e que li sem prestar grande atenção. Havia alguns detalhes relacionados com mecânica e com robots/cyborgs que me passaram ao lado e nesses momentos confesso que li simplesmente por ler e porque tinha de avançar para o próximo capítulo ...

Em geral, uma distopia diferente que nos leva a ver um clássico infantil de uma outra forma, em que nem tudo é cor de rosa e com um final feliz. O cruzamento entre o típico conto de fadas com as distopias de YA resulta bastante bem em Cinder e, apesar de ser uma história com algumas falhas, recomendo a leitura deste livro.

Classificação: 3 estrelas

10 comentários:

Jose disse...

Parece que fiz bem em descer as minhas expectativas em relação a este livro. O conceito é muito interessante e adoro retellings de contos de fadas por isso talvez leia, se surgir a oportunidade :)

Já agora, relativamente a contos de fadas, vês a série Once Upon a Time?

Ana Costa disse...

Se gostas deste tipo de coisas então que Cinder seria um bom livro para ti ;)

Vou começar a ver. Já ouvi falar muito bem dela. O que é que achas da série?

Jose disse...

Actualmente é a minha série favorita! Tens de ver, está cheia de surpresas (principalmente a partir da segunda metade da primeira temporada)... E acho que vais gostar das personagens :D

Carolina disse...

É melhor baixar as expetativas em relação a este livro! ;)

P.S. Também gosto muito da série Once Upon a Time!! :D
Espero que gostes!
Beijinhos!!

paginasencadernadas disse...

Mesma classificação e concordo com as falhas do livro, mas ainda tenho que organizar os meus pensamentos à história/personagens/desenvolvimento.

Acho que o livro é sobrevalorizado na comunidade BookTuber >.<

Ana Costa disse...

Obrigada pela sugestão Jose ;) Vou ver se consigo os episódios ainda esta semana para começar a ver.

Carolina, é mesmo o melhor, se não poderás ficar desapontada.

Cata, concordo, na comunicadade Bootube elevou-se este livro a um patamar que não lhe corresponde. Tem a sua piada mas não é assim tão bom quanto isso. Mesmo assim fiquei com alguma curiosidade em relação ao resto da história.

paginasencadernadas disse...

Eu tenho curiosidade, mas não estou a formigar >.<

Ana Costa disse...

Ah isso tb não, mas pronto, pelo menos não é uma série que pus de lado. Já agora quero saber como é que a história se desenrola :)

Fiacha disse...

Olá

Bem o comentário tenta-me sem duvida, mas não me parece que o leia, mas nunca digas desta àgua não beberei lol

Bjs e boas leituras

Ana Costa disse...

Hey ;)

Acho que é preciso ter alguma vontade para ler contos de fadas para pegar neste livro.

Bjs e boas leituras

Enviar um comentário