sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Maratona Literária Viagens (In)Esperadas

Para este desafio temos de apresentar a personagem principal do livro e depois escolher um actor que pudesse interpretá-la num filme.

Quando o livro começa, Quentin está a preparar-se para ir para a Universidade. Quando ele se dirigia a casa de um entrevistador para tentar entrar numa Universidade de prestigio, Quentin recebe um convite para fazer um teste na escola de Brakebills, uma escola de magia. Dado o seu fascínio por uma saga juvenil de fantasia chamada Fillory and Further, o rapaz fica bastante entusiasmado, porque para ele isso significa que a sua vida poderá tornar-se mais interessante. No entanto, Quentin é um insatisfeito crónico, independentemente do que faça, e isso leva-o a algumas crises existenciais, a fastar-se por completo dos seus pais e a ignorar os sentimentos dos que o rodeiam. Acaba por ser um pouco egocêntrico e por colocar as suas necessidade à frente das dos outros, considerando-se sempre um incompreendido. 

Penso que este papel poderia ser interpretado por David Lambert (participou em The Lifegaurd com Kirsten Bell). Não sei exatamente explicar porquê, mas parece-me que ele se enquadraria bem neste papel.





Até ao próximo post e boas leituras :)

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Maratona Literária Viagens (In)Esperadas: Desafio 3

Para este desafio, a ideia era mostrar o livro que estamos a ler neste momento e o que utilizamos para marcar as páginas.





O livro é o mesmo desde o início da maratona. Já li mais de metade mas, infelizmente, acabei por ter menos tempo livre durante esta semana e por isso a leitura ficou um pouco atrasada.

Quanto ao separador, comprei-o em Barcelona e é uma representação animada da estátua de Cristóvão Colombo que se encontra no fundo de La Rambla, junto à marina. Neste momento é um dos meus separadores preferidos e tem sido aquele que me tem acompanhado nestes últimos tempos.

Até ao próximo post e boas leituras :)

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Maratona Literária Viagens (In)Esperadas: Desafio 2

O segundo desafio da maratona literária Viagens (In)Esperadas consistia em apresentar o autor do que livro que estamos a ler.

Lev Grossman

Nascido em 1969 e filho de dois professores de Inglês, Lev Grossman completou os seus estudos de literatura, mas rapidamente se apercebeu de que a sua verdadeira paixão era escrever.

Publicou Warp em 1997, mas é em 2004 que publica o seu primeiro best-seller, Codex (em português, O Códice Secreto). Em 2009 publica The Magicians (Os Mágicos, livro que estou neste momento a ler) que entrou no top do New York Times e foi considerado como um dos melhores livros de 2009. 

Para além disso, desde 1997 que o autor escreve para algumas publicações de renome, nomeadamente para a revista Time, tendo-se tornadp num crítico bastante respeitado.


Até ao próximo post e boas leituras :)


As Minhas Músicas (4)

Apesar de não ser grande fã de Beyoncé, este novo trabalho desperta-me algum interesse. A cantora parece ter assumido um rumo algo distinto daquele a que nos tinha habituado até agora -o que, na minha opinião, foi uma mudança bem vinda - e, pela primeira vez, fiquei entusiasmada com as suas músicas. Outros ritmos, outro tipo de letras e de mensagens pontuam este novo trabalho e daí destaco XO, uma música que já passa nas rádios e que me tem acompanhado durante as últimas semanas.


Espero que gostem e até ao próximo post :)

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Maratona Literária: Viagens (In)Esperadas Desafio 1




O primeiro desafio da maratona literária Viagens (In)Esperadas consistia em abrir numa página à sorte do livro que estamos a ler neste momento e escrever a primeira frase e esta foi a que eu encontrei, ao acaso, na página 228 do livro Os Mágicos de Lev Grossman.

Quentin tentou gostar dele porque toda a gente gostava e seria mais simples, mas o homem era sério de mais; não era estúpido, mas não tinha sentido de humor - as piadas passavam-lhe ao lado, fazendo com que a conversa parasse para que alguém, geralmente Janet, lhe explicasse por que razão estavam todos a rir, e então ele juntava as espessas sombrancelhas, consternado com os estranhos hábitos humanos dos seus companheiros.

Boas leituras e até ao próximo post ;)

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

5 Livros a Ler em 2014

À semelhança do que já tinha publicado a propósito dos autores cuja obra quero descobrir em 2014, decidi também destacar os 5 livros que gostaria de ler este ano. Alguns deles têm estado na minha wishlist já há algum tempo mas, por uma razão ou por outra, acabaram por nunca ser adquiridos. No entanto, irei também indicar alguns livros que são mais recentes e que são, essencialmente, livros que conheci através da comunidade Booktube e que me pareceram bastante interessantes.

Rebecca de Daphne du Maurier



Livro que já mencionei algumas vezes aqui no blog e que quero mesmo muito ler. Para além disso, o facto de a adaptação cinematográfica ser de Hicthcock também tem contribuído para o crescimento do meu interesse nesta história.

Publicado em 1938, Rebecca é talvez o romance por que Daphne du Maurier é hoje mais lembrada. Ao lê-lo entramos numa atmosfera onírica, sombria, alimentada por segredos que os códigos sociais obrigam a permanecer ocultos e que se concentram na misteriosa mansão Manderley. É para esta mansão que a narradora, uma jovem humilde, vai viver com o viúvo Maxim de Winter, ao aceitar o seu pedido de casamento. Mas então descobre que a memória da falecida esposa, Rebecca, se encontra ainda viva e que esta era tudo o que ela nunca será. À medida que o enredo se desenvolve, ela terá de redefinir a sua identidade num cenário em que os sonhos ameaçam tornar-se pesadelos… 

Fahrenheit 451de Ray Bradbury 



Clássico distopiano que já há bastante tempo quero ler. Depois de ter lido 1984 de George Orwell e Brave New World de Aldous Huxley, este parece-me o complemento perfeito à minha lista de clássicos dentro deste estilo.

O sistema era simples. Toda a gente compreendia. Os livros deviam ser queimados, juntamente com as casas onde estavam escondidos... Guy Montag era um bombeiro cuja tarefa consistia em atear fogos, e gostava do seu trabalho. Era bombeiro há dez anos e nunca questionara o prazer das corridas à meia-noite nem a alegria de ver páginas consumidas pelas chamas... Nunca questionara nada até conhecer uma rapariga de dezassete anos que lhe falou de um passado em que as pessoas não tinham medo. E depois conheceu um professor que lhe falou de um futuro em que as pessoas podiam pensar. E Guy Montag apercebeu-se subitamente daquilo que tinha de fazer... De implicações assustadoras, a forma como reconhecemos o nosso mundo naquele que é retratado em Fahrenheit 451 é impressionante.  

Ready Player One de Ernest Cline 



Este é daqueles livros que tem sido muito badalado pela comunidade Booktube e que me deixou bastante curiosa. Não me considero uma geek, por isso não sei se vibrarei muito com as referências culturais, mas o mundo em si parece-me bastante interessante.

It's the year 2044, and the real world is an ugly place.

Like most of humanity, Wade Watts escapes his grim surroundings by spending his waking hours jacked into the OASIS, a sprawling virtual utopia that lets you be anything you want to be, a place where you can live and play and fall in love on any of ten thousand planets.

And like most of humanity, Wade dreams of being the one to discover the ultimate lottery ticket that lies concealed within this virtual world. For somewhere inside this giant networked playground, OASIS creator James Halliday has hidden a series of fiendish puzzles that will yield massive fortune--and remarkable power--to whoever can unlock them.

For years, millions have struggled fruitlessly to attain this prize, knowing only that Halliday's riddles are based in the pop culture he loved--that of the late twentieth century. And for years, millions have found in this quest another means of escape, retreating into happy, obsessive study of Halliday's icons. Like many of his contemporaries, Wade is as comfortable debating the finer points of John Hughes's oeuvre, playing Pac-Man, or reciting Devo lyrics as he is scrounging power to run his OASIS rig.

And then Wade stumbles upon the first puzzle.

Suddenly the whole world is watching, and thousands of competitors join the hunt--among them certain powerful players who are willing to commit very real murder to beat Wade to this prize. Now the only way for Wade to survive and preserve everything he knows is to win. But to do so, he may have to leave behind his oh-so-perfect virtual existence and face up to life--and love--in the real world he's always been so desperate to escape.

A world at stake.
A quest for the ultimate prize.
Are you ready?
It's the year 2044, and the real world is an ugly place.

Like most of humanity, Wade Watts escapes his grim surroundings by spending his waking hours jacked into the OASIS, a sprawling virtual utopia that lets you be anything you want to be, a place where you can live and play and fall in love on any of ten thousand planets.

And like most of humanity, Wade dreams of being the one to discover the ultimate lottery ticket that lies concealed within this virtual world. For somewhere inside this giant networked playground, OASIS creator James Halliday has hidden a series of fiendish puzzles that will yield massive fortune--and remarkable power--to whoever can unlock them.

For years, millions have struggled fruitlessly to attain this prize, knowing only that Halliday's riddles are based in the pop culture he loved--that of the late twentieth century. And for years, millions have found in this quest another means of escape, retreating into happy, obsessive study of Halliday's icons. Like many of his contemporaries, Wade is as comfortable debating the finer points of John Hughes's oeuvre, playing Pac-Man, or reciting Devo lyrics as he is scrounging power to run his OASIS rig.

And then Wade stumbles upon the first puzzle.

Suddenly the whole world is watching, and thousands of competitors join the hunt--among them certain powerful players who are willing to commit very real murder to beat Wade to this prize. Now the only way for Wade to survive and preserve everything he knows is to win. But to do so, he may have to leave behind his oh-so-perfect virtual existence and face up to life--and love--in the real world he's always been so desperate to escape.

A world at stake.
A quest for the ultimate prize.
Are you ready?
 

Unwind de Neal Shusterman


Outro dos livros que conheci através do Youtube e que parece ser o início bastante prometedor de uma série com elementos que, até agora, ainda não encontrei em mais nenhum livro.

Connor, Risa, and Lev are running for their lives.

The Second Civil War was fought over reproductive rights. The chilling resolution: Life is inviolable from the moment of conception until age thirteen. Between the ages of thirteen and eighteen, however, parents can have their child "unwound," whereby all of the child's organs are transplanted into different donors, so life doesn't technically end. Connor is too difficult for his parents to control. Risa, a ward of the state is not enough to be kept alive. And Lev is a tithe, a child conceived and raised to be unwound. Together, they may have a chance to escape and to survive.
 
 

V for Vendetta de Alan Moore


Vi o filme na altura em que saiu e fiquei completamente rendida à sua história. Desde então tenho adiado a compra deste livro pelo simples facto de já conhecer a história, mas a verdade é que quero mesmo muito ler esta graphic novel e compará-la com a adaptação cinematográfica protagonizada por Natalie Portman.


A powerful story about loss of freedom and individuality, V FOR VENDETTA takes place in a totalitarian England following a devastating war that changed the face of the planet.

In a world without political freedom, personal freedom and precious little faith in anything comes a mysterious man in a white porcelain mask who fights political oppressors through terrorism and seemingly absurd acts. It's a gripping tale of the blurred lines between ideological good and evil.

This new trade paperbackedition features the improved production values and coloring from the 2005 hardcover.
 
 

Já tiveram a oportunidade de ler alguns destes livros?

Até ao próximo post e boas leituras :)  

domingo, 26 de janeiro de 2014

Maratonas Literárias: Viagens (In)Esperadas (1)

Às 00h00 do dia 27 de janeiro terá início mais uma maratona literária promovida pelas meninas dos blogs Sonhar de Olhos Abertos e Por Detrás das Palavras. A maratona terminará às 23h59 do dia 31 de janeiro e desta vez o objetivo é ler livros de autores que não conhecemos e apenas as páginas desses livros serão contabilizadas.



Para mim esta é uma oportunidade excelente para ler alguns dos livros que tenho na minha estante e que foram escritos por autores cujo trabalho desconheço. Tendo em conta que temos 5 dias de maratona, vou apenas apontar 2 livros e são eles Os Mágicos de Lev Grossman e El Ruido de las Cosas al Caer de Juan Gabriel Vásquez. Desta forma estarei também a contribuir para alguns dos desafios literários a que aderi este ano :)



E vocês também vão participar?

Até ao próximo post e boas leituras :)

A Rapariga Que Sonhava Com Uma Lata de Gasolina e Um Fósforo de Stieg Larsson

Sinopse

Depois de uma longa estada no estrangeiro, Lisbeth Salander regressa à Suécia e instala-se luxuosamente numa zona nobre da cidade. Mikael Blomkvist, que tentara contactá-la durante meses, sem sucesso, desiste e concentra-se no trabalho. À Millennium chega material para uma notícia explosiva: o jornalista Dag Svensson e a sua companheira Mia Johansson entregam na editora dois documentos que provam o envolvimento de personalidades importantes numa rede de tráfico de mulheres para exploração sexual. Quando Dag e Mia são brutalmente assassinados, todos os indícios recolhidos no local do crime apontam um suspeito: Lisbeth Salander, e a polícia move-lhe uma implacável perseguição. Lisbeth Salander, que está disposta a romper de vez com o passado e a punir aqueles que a prejudicaram, tem agora de provar a sua inocência e só uma pessoa parece disposta a ajudá-la: Mikael Blomkvist que, apesar de todas as evidências, se recusa a acreditar na sua culpabilidade.

A Minha Opinião

Foi com um grande entusiasmo que comecei a ler este livro. Depois de ter lido Os Homens que Odeiam as Mulheres fiquei completamente rendida ao estilo de Stieg Larsson e à personagem de Lisbeth Salander e por isso, não havia como não continuar com esta trilogia.

Contrariamente ao que tem sido apontado por muitos como a parte menos interessante do livro, eu gostei do início da história. Não pensava que Lisbeth desse um corte tão radical na sua relação com Mikael mas, verdade seja dita, tendo em conta a sua forma de ser, também não posso dizer que tenha sido totalmente surpreendente. Achei interessante "vê-la" num contexto completamente diferente daquele que tinha sido criado no primeiro volume da trilogia e também à sua adaptação a um novo estilo de vida, que apesar de simples, não deixava de marcar uma evolução. Lisbeth tinha finalmente a possibilidade de viver de forma despreocupada - pelo menos a nível financeiro - e cuidar daqueles que, para si, eram as pessoas mais importantes da sua vida. Aliás, uma das coisas que mais gostei neste livro foi precisamente o facto de ficarmos a conhecer melhor Lisbeth e o seu passado, mas também por acompanharmos mais de perto o seu crescimento.

Apesar de ter gostado bastante a história e da sua progressão, penso que tinha algumas falhas. Sim, uma temática polémica, um enredo algo intrincado mas bastante cativante e surpreendentes reviravoltas até ao último momento são, em teoria, elementos para criar um grande livro. No entanto, não pude deixar de reparar que a história estava algo desequilibrada, fosse pela atenção dedicada a certos aspetos, fosse pelo destaque atribuído às diferentes personagens. Apesar de a investigação policial ter assumido, durante vários capítulos, um grande destaque, rapidamente passou para segundo plano, chegando-se a um ponto em que quase não havia referências a Bublanski e a Modig. Para além disso, também fiquei com a sensação que a história se perdeu um pouco com personagens menos relevantes e que Lisbeth e Mikael - supostamente as personagens principais - ficaram para trás, algo que, na minha opinião, comprometeu o interesse da história em alguns momentos.

Uma última nota deve ser feita em relação aos vilões deste livro. As revelações em relação a Zala foram, sem dúvida, um dos pontos altos! Já o colosso que era Niedermann impressionava pela sua incrível força e resistência mas, muito sinceramente, penso que acabou por contribuir pouco para história. Não posso dizer que fosse essencial para o seu desenvolvimento, apesar de ter proporcionado momentos de algum interesse. Quanto aos restantes membros do restrito grupo que sabia da existência de Zala, mais uma vez, ajudaram para perceber alguns aspectos relevantes para a progressão da história, mas a sua importância acabou também por ser menor do que aquela que inicialmente esperava.

No geral, e apesar de ter gostado bastante do livro, penso que estas pequenas falhas acabaram por comprometer o ritmo da narrativa e evidenciar os altos e baixos da história. No entanto, e tal como disse anteriormente, o desenvolvimento de Lisbeth é fantástico e apesar de a sua interação com Mikael não ser a mesma que a que vimos em Os Homens que Odeiam as Mulheres, gostei bastante da sua troca de mensagens e, especialmente, da determinação dele em provar a inocência da sua amiga.

Classificação: 4 em 5 estrelas.

Boas leituras e até ao próximo post :)

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

#Friday Reads (21)

A semana tem sido mais atarefada do que esperava e por isso as minhas leituras ficaram um pouco para trás. Para este fim de semana o plano é acabar A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo de Stieg Larsson. Vou neste momento na página 494 e faltam-me pouco mais de 100 páginas para terminar este segundo volume da trilogia Millenium. 

Até agora posso dizer que, apesar de estar a gostar bastante do livro, há algumas coisas que não me estão a agradar muito, nomeadamente as quebras no ritmo da história e o facto de, por vezes, não parecer muito equilibrado - refiro-me, essencialmente, às diferentes perspetivas e à relevância que é atribuída a cada uma das personagens.

Depois de terminar este livro ainda não sei se pego de imediato no terceiro, ou se leio outra coisa para não ser tudo tão seguido.

Boas leituras e até ao próximo post :)

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Death Note de Tsugumi Ohba

Sinopse

Light Yagami is an ace student with great prospects - and he's bored out of his mind. But all that changes when he finds the Death Note, a notebook dropped by a rogue Shinigami death god. Any human whose name is written in the notebook dies, and now Light has vowed to use the power of the Death Note to rid the world of evil. But when criminals begin dropping dead, the authorities send the legendary detective L to track down the killer. With L hot on his heels, will Light lose sight of his noble goal...or his life?

A Minha Opinião

Já anteriormente tinha feito pequenas reviews de alguns dos volumes desta série (poderão lê-las aqui e aqui), mas agora que terminei esta saga, achei que seria preferível juntar todas as minhas impressões num único post.

Esta foi a primeira série de manga que li desde o princípio até ao fim. Já tinha experimentado outras sagas, mas nenhuma me tinha despertado o mesmo interesse que Death Note. 

Desde logo saliento o facto de ter personagens como Light e L, rapazes incrivelmente inteligentes, intrigantes e algo complexos. Em certa medida são muito semelhantes, daí que consigam acompanhar os raciocínios um do outro sem grande dificuldade, mas por outro também acabam por ser totalmente diferentes. Light tem um particular sentido de justiça e a ambição de criar um mundo perfeito, livre de criminosos e de comportamentos indevidos, são influenciam a forma como utiliza os poderes do Death Note. Já L acaba por ser uma personagem marcante pelas suas peculiaridades e pelo seu comportamento invulgar. A dinâmica entre estas duas personagens foi, sem dúvida, um dos elementos de destaque desta série, especialmente pela forma como tentavam antecipar o que outro iria fazer ou reagir.

Também gostei do facto de esta saga ir para além do puro entretenimento e de, na realidade, me ter feito pensar. Penso que é uma história que acaba por suscitar questões interessantes, nomeadamente pelo comportamento de Light, pela forma como ele encara os poderes do Death Note e como tal influencia o seu crescimento enquanto personagem. Creio que essa vertente acabou por contribuir para a complexidade da história e para que se tornasse tão viciante.

Quanto à série no seu todo, penso que os 7 primeiros volumes são, claramente, os melhores, tendo notado um certo declínio na qualidade e no interesse da história nos volumes que se seguiram. Penso que a introdução de novas personagens numa fase tão tardia acabou por não resultar. Não me senti particularmente fascinada por Near ou por Mello - na realidade, achei-os um pouco irritantes - e a criação de um triângulo amoroso entre Light, Amane e Takada pareceu-me um pouco despropositado. Muito sinceramente, acho que a historia recuou um pouco entre os volumes 8-10, parecendo, inclusivamente, que estavamos a voltar à premissa dos primeiros livros da saga. A história parecia já demasiado circular, algo que também se poderia dizer quanto às trocas de ideias entre Near e Light.
No geral, dou a esta saga estrelas. Tal como referi, os últimos volumes acabaram por prejudicar a história, apesar de o final me ter parecido adequado, tendo em conta a forma como as coisas progrediram. Apesar do tema da série não ser particularmente leve, havia alguns momentos com um certo humor e personagens engraçadas, nomedamente Amane e Ryuk. 

Esta é, sem dúdiva, uma saga que recomendo mesmo a quem não é particularmente fã de mangas, porque a história é realmente bastante boa e, no geral, está bem desenvolvida.

Até ao próximo post e boas leituras :)


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

As Minhas Músicas (3)

Hoje trago-vos uma música que não é recente mas que é uma daquelas a que acabo por voltar com alguma regularidade.



É da Janelle Monáe e chama-se Cold War, retirada do seu primeiro álbum The ArchAndroid. Adoro o trabalho desta cantora e este seu álbum é, sem dúvida, um dos meus preferidos. Acho que a criatividade de Janelle Monáe é simplesmente fantástica. Conseguiu criar um álbum que, desde o início, me deu a sensação de que não era simplesmente um CD de música, mas uma verdadeira banda sonora de uma história que apenas poderia ser fantástica. Para meu espanto, e depois de me ter deliciado durante pouco mais de 1 hora com o seu álbum, descobri que, efetivamente, a cantora o tinha criado com base numa história por si inventada (estilo fição científica, muito futurista). Achei que isto demonstrava o grande talento de Monáe, pois conseguiu dar precisamente essa sensação a alguém que não sabe, de antemão, que há uma história por trás de todas aquelas músicas. Para quem não conhece The ArchAndroid aconselho a dar um saltinho pelo Youtube e a explorar um pouco mais este CD.


Até ao próximo post e boas leituras :)

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

5 Autores a Conhecer em 2014

Há autores cujas obras me despertam alguma curiosidade já há algum tempo mas que, por uma razão ou por outra, acabam por ser postos de lado. Não é que não tenha vontade de pegar nos seus livros, mas às vezes acabam por se sobrepor outras leituras e esses acabavam por ficar para trás.

Este ano decidi que teria de, pelo menos, de estes 5 autores.

Patrick Ness

Autor que já referi algumas vezes aqui no blog (eu sei, repetitiva!) mas é realmente um autor cuja obra me desperta bastante curiosidade, não pela Chaos Walking Trilogy, mas também por A Monster Calls e, mais recentemente, More Than This.




Neil Gaiman

Um autor cuja obra me tinha passado completamente despercebida até agora mas que, aparentemente, não só tem já bastantes coisas publicadas, como estas são ainda bastante variadas. Para além disso, parece ser um autor bastante elogiado; todas as reviews que leio dos seus livros são bastante positivas.



John Green
 
Autor que parece deslumbrar os mais jovens - especialmente entre os 16 e os 24 anos - e que era uma perfeito desconhecido para mim até há cerca de um ano. Também é um autor bastante elogiado, apesar de algumas obras já terem sido criticadas por apelarem demasiado à lágrima.


Khaled Hosseini
 
Apesar de já há algum tempo ter os livros deste autor na minha wishlist, até agora ainda não tive a oportunidade de os ler. Gostaria de começar por The Kite Runner e depois então - e caso goste do seu estilo - continuar a explorar as suas restantes obras.
 
 


Daphne du Maurier

Este é aquele que até tenho alguma vergonha em admitir. Nunca li nada desta autora apesar de sempre ter tido imensa curiosidade em relação a Rebecca. Por isso, deste ano não poderá passar! Ainda para mais quando toda a gente elogia o estilo da autora e se rende às suas histórias.

  (gosto bastante desta coleção!)

Já leram livros escritos por algum destes autores? O que é que acharam?

Até ao próximo post e boas leituras :) 

domingo, 19 de janeiro de 2014

TAG: Resoluções Literárias para 2014

Maior parte dos bloggers já fez esta TAG no início do mês, mas eu gostei das perguntas e resolvi também deixar aqui as minhas resoluções literárias para 2014.

Podem ver a TAG original aqui e os vídeos da Cata do blog Páginas Encadernadas e da Catarina do blog Little House of Books.

Questões

1 - Um autor que nunca leste e queres ler. Quero muito, mas mesmo muito, ler algo de Patrick Ness.

2 - Um livro que queres muito ler. Hm pergunta díficil, há sempre muitos livros que quero ler. No entanto, penso que aquele que se encontra, neste momento, no topo das prioridades é Knife of Never Letting Go de Patrick Ness.



3 - Um clássico que queres ler. Eu aqui vou ter mesmo que apontar dois: Crime e Castigo de Dostoievski e O Paraíso das Damas de Émile Zola.




4 - Um livro que queres reler. Honestamente, nenhum por agora. Não sou muito dada às releituras ...

5 - Um livro que tens há séculos e que queres finalmente ler. Os Três Mosqueteiros de Alexandre Dumas. Já o tenho há uns aninhos e quero mesmo muito muito lê-lo este ano.


6 - Um livro gigante que queres ter coragem para ler. Regra geral livros gigantes não me assustam e por isso não é uma questão de coragem; às vezes é simplesmente uma questão de tempo. Gostava de este ano ler a sequela de O Nome do Vento de Patrick Rothfuss, que em português está dividido em dois volumes de peso.



7 - Um autor que já leste e que queres voltar a ler. Stieg Larsson, não há grandes dúvidas. Quero acabar a trilogia Millenium e perder-me no estilo de Larsson que, em minha opinião, tinha um verdadeiro dom para escrever grandes policiais.

8 - Um livro que te ofereceram no Natal e que queres ler. Apenas recebi dois livros no Natal e foram os dois últimos volumes da trilogia Millenium, incluídos já nos meus planos de leituras para este ano.




9 - Uma série que queres ler do primeiro ao último livro. Gostava de começar (e espero acabar) a série de Percy Jackson and the Olympians de Rick Riordan.



10 - Uma série que começaste e queres terminar. Hm tenhos umas quantas ... Penso que a minha prioridade para este ano será acabar Legend de Marie Lu. Ainda só li o primeiro volume, mas o resto da trilogia já se encontra publicada, por isso é só mesmo uma questão de comprar os livros que me faltam.


11 - Quantos livros queres ler em 2014. O meu objetivo é ler 60 livros.

12 - Mais algum objetivo literário que queiras partilhar. Ao longo deste mês também já tenho feito referência ao desafios literários que espero cumprir este ano. Deixo aqui os links para os desafios 5x5, Mount TBR e autores de A a Z.

Até ao próximo post e boas leituras :)

sábado, 18 de janeiro de 2014

Desafios Literários 2014: Autores de A a Z

Este é o último desafio literário a que vou aderir em 2014. Já no ano passado tinha feito este desafio mas, infelizmente, não consegui cumpri-lo e por isso resolvi tentar novamente este ano. 


A ideia consiste em associar a cada letra do alfabeto um autor com nome (no meu caso, apelido) que comece por essa letra e escolher uma das suas obras para ler. A minha lista para este ano é a seguinte:

A- Asher, Jay - Thirteen Reasons Why
B- Brown, Dan - Inferno
C- Crile, George - Charlie Wilson's War
D- Dumas, Alexandre - Os Três Mosqueteiros
E- Eugenides, Jeffrey - As Virgens Suicidas
F- Flaubert, Gustave - Madame Bovary
G- Grossman, Lev - Os Mágicos
H- Hosseini, Khaled - The Kite Runner
I- Ishiguro, Kazuo - Never Let me Go
J- Junji Ito - Uzumaki
K- Keplinger, Kody - The DUFF
L- Larsson, Stieg - A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo
M- Márquez, Gabriel García - El Amor en Los Tiempos del Colera
N- Ness, Patrick - Knife of Never Letting Go
O - Ohba, Tsugumi - Death Note (6 últimos volumes)
P- Puzo, Mario - O Padrinho
Q- Queiroz, Eça de - A Capital
R- Revis, Beth - Across the Universe
S- Shusterman, Neil - Unwind
T- Tolkien, J. R. R. - A Irmandade do Anel
U-
V- Vásquez, Juan Gabriel - El Ruido de las Cosas al Caer
W- Wolfe, Tom - A Fogueira das Vaidades
X-
Y-
Z  -Záfon, Carlos Ruiz - Marina

Desta vez tentei incluir mais livros que já tinha nas minhas estantes e não tantos da minha wishlist. No total, são 23, dos quais já li 2: Marina de Carlos Ruiz Zafón e completei a saga Death Note de Tsugumi Ohba. Ainda me faltam encontrar três autores, mas isso será algo que ao longo do ano tentarei resolver.

Aceitam-se sugestões de autores para preencher as letras que me faltam :)

Até ao próximo post e boas leituras :)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

#Friday Reads (20)

Ora muito bem, depois de levar uma semana a ler Death Note, este fim-de-semana quero pegar noutros livros.

Para já, quero acabar um livro que comecei ontem e que se chama The Trail de Terry Dwyer. Deixo-vos aqui a sinopse para que possam ficar a conhecer um bocadinho melhor a sua história:

In 1973, the world was a different place.
There were no mobile phones, no laptops and no credit cards. International travel was problematic and little was known about distant places like Afghanistan or Timor. The Vietnam War raged and Bangkok was the fleshpot of Asia. In the October, deteriorating relations between Israel and her Arab neighbours would culminate in the Yom Kippur War.
That year, the “hippie trail” between Europe and India lay open. Overland travel between Australia and Europe was possible. In April 1973, I hitched out of Sydney, heading for London. This is my story.

Eu não conhecia este livro, mas a oportunidade de o ler surgiu e resolvi aproveitar por me parecer mais do que um mero relato de viagem. O facto de ter ocorrido numa altura de maior conflito na região por onde o autor passou despertou a minha curiosidade e fez com que tivesse ainda mais vontade de pegar neste livro.

Até agora ainda só li 20 páginas, mas a história é curta e penso que não demorarei muito tempo a terminá-la. O que li até ao momento pareceu-me interessante e gostei, principalmente, da forma como o autor vai alternando entre os vários momentos da sua vida, explicando, por um lado, a realidade em Israel durante os conflitos e, por outro, a sua preparação e motivação para iniciar esta aventura.

Terminado este livro, quero ainda começar a ler A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo de Stieg Larsson, segundo volume da trilogia Millenium. Adorei (e devorei) o primeiro volume e por isso estou bastante curiosa com a continuação desta história, apesar de este livro parecer seguir um novo caso, não estando tão ligado ao que se tinha passado durante o primeiro volume.

Neste segundo volume da trilogia Millennium, Lisbeth Salander é assumidamente a personagem central da história ao tornar-se a principal suspeita de dois homicídios. A saga desenvolve-se em dois planos que se complementam e só a solução do primeiro mistério trará luz ao segundo: Há que encontrar os responsáveis pelo tráfico de mulheres para exploração sexual para se descobrir por que razão Lisbeth Salander é perseguida não só pela polícia, mas por um gigante loiro de quem pouco se sabe.

Até ao próximo post e boas leituras :)
 

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

TAG: As Cores dos Livros

Esta TAG foi criada por bookswithdylan, no Youtube, e traduzida para português pela Catarina do blog Páginas Encaderndas

O José passou-me esta TAG (obrigado!) e eis as minhas respostas :)

1 - Escolhe uma cor: Hmm depois de olhar para os livros que tenho na minha estante, escolho o preto.

2 - Mostra todos os livros que tenham a capa da cor que escolheste

 (retrato de família)








 
Apesar de alguns dos livros terem detalhes na capa com outras cores, eles são pretos mesmo na lombada e na parte de trás.

3 - Separa os livros lidos dos por ler


 Lidos


Por ler

4 - Dos por ler, qual queres ler mais?

 
5 - Dos lidos, qual o teu favorito?

 
Não consegui escolher apenas um ...

6 - Qual é o livro que tem a tua capa preferida?


É, não só, das minhas capas preferidas, como penso que ela se relaciona muito bem com a própria história.

7 - E qual tem a capa mais feia?

 
Sim, a história é de terror e não acontecem coisas propriamente bonitas de se visualizar, mas a capa também não tinha de ser esta coisa ...

8 - Um livro com capa da cor que escolheste que queiras comprar





9 - Um objeto que esteja perto de ti/na tua estante com a cor escolhida


Foi uma lmbrança que uma colega russa da minha turma do secundário me deu antes de se ir embora.

Espero, muito sinceramente, não me ter esquecido de nenhum livro ...

Até ao próximo post e boas leituras :)

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

As Minhas Músicas (2)

Esta semana trago uma descoberta recente. Não conhecia nem esta banda, nem a música, mas depois de ouvir fiquei com ela na cabeça.

A música chama-se The City e é dos The 1975, uma banda inglesa de indie/rock alternativo que lançou o seu primeiro álbum em Setembro de 2013. Ainda não explorei muito o seu trabalho, mas gostei desta música e, basicamente, tem sido aquela que me tem acompanhado durante esta semana.



Espero que gostem :)

Até ao próximo post!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Book Haul (3)

Tal como tinha referido no haul anterior, o mês de Dezembro foi de algum desaire para mim. Não sou de concentrar as minhas compras de livros numa dada altura, mas desta vez acabou por coincidir, fazendo com que adquirisse livros suficientes para me aguentar durante os próximos tempos sem comprar nada.

No meu primeiro haul deste ano mostrei os livros que tinha recebido pelo Natal e que tinha comprado a preços (praticamente) irrisórios. Para hoje decidi mostrar os livros que comprei na minha ida a Sevilla no final do mês. Gosto bastante de ler em Espanhol e por isso aproveitei esses dias para me perder um pouco nas livrarias e adquirir alguns dos títulos que já há algum tempo queria ler.


  • El Juego del Ángel de Carlos Ruiz Záfon: segundo volume da saga El Cementerio de los Libros Olvidados. Depois de ler e adorar La Sombra del Viento, era impensável não vir para casa com este menino.
  • Marina de Carlos Ruiz Záfon: último livro juvenil escrito pelo autor e que tinha sido escolhido para uma leitura conjunta em que participo no Goodreads. Já li o livro e podem ver a minha review aqui.

  • El Amor en los Tiempos del Cólera de Gabriel García Márquez: um autor cuja obra quero descobrir aos poucos. Adorei Crónica de una Muerte Anunciada e por isso fiquei com bastante curiosidade em relação às restantes obras deste mestre do realismo mágico.
  • La Ciudad Ausente de Ricardo Piglia: foi o único livro que comprei por impulso. No entanto a sua sinopse despertou a minha curiosidade e por isso decidi trazê-lo comigo. 

  • El Ruido de las Cosas al Caer de Juan Gabriel Vásquez: obra premiada que descobri através do Goodreads, com uma história que me pareceu interessante. Poderão ler a sinopse aqui.
Infelizmente não encontrei todos os livros que pretendia comprar mas penso que, ainda assim, consegui reunir um pequeno grupo de leituras interessantes para os próximos tempos.

Até ao próximo post e boas leituras :)

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Desafios Literários 2014: Mount TBR





Outro dos desafios que quero experimentar este ano é o Mount TBR Reading Challenge do blog My Reader's Block. O objetivo é levar-nos a ler os livros que já se encontram nas nossas estantes há algum tempo, mas que, até ao momento, ainda não tivemos oportunidade/tempo/vontade para ler.  A criadora do desafio decidiu torná-lo ainda mais interessante e criou os seguintes níveis:

Pike's Peak: Read 12 books from your TBR pile/s Mount Blanc: Read 24 books from your TBR pile/s
Mt. Vancouver: Read 36 books from your TBR pile/s
Mt. Ararat: Read 48 books from your TBR piles/s
Mt. Kilimanjaro: Read 60 books from your TBR pile/s
El Toro: Read 75 books from your TBR pile/s
Mt. Everest: Read 100 books from your TBR pile/s
Mount Olympus (Mars): Read 150+ books from your TBR pile/s

Apesar de em 2013 ter participado num desafio semelhante, optei pelo Mount TBR por ter a divisão em níveis, o que, em minha opinião, sempre lhe dá uma outra graça e (verdade seja dita) obriga-me a estabelecer um objetivo mais tangível. 

Esta é a lista de livros que se encontram nas minhas estantes que ainda não foram lidos:

  • O Primo Basílio, Eça de Queiroz
  • A Capital, Eça de Queiroz
  • O Mistério da Estrada de Sintra, Eça de Queiroz
  • A Ilustre Casa de Ramires, Eça de Queiroz
  • O Crime do Padre Amaro, Eça de Queiroz
  • Alvez & Cia, O Mandarim, O Conde de Abranhos, Eça de Queiroz
  • A Relíquia, Eça de Queiroz
  • Os Três Mosqueteiros, Alexandre Dumas
  • A Fogueira das Vaidades, Tom Wolfe
  • O Padrinho, Mario Puzo
  • O Fiél Jardineiro, John Le Carré
  • Uma Família Inglesa, Julio Dinis
  • Trópico de Capricórnio, Henry Miller
  • Madame Bovary, Gustave Flaubert
  • Charlie Wilson's War, George Crile
  • O Paraíso das Damas de Émile Zola
  • Crime e Castigo de Fiódor Dostoievski
  • Os Mágicos de Lev Grossman
  • El Juego del Ángel de Carlos Ruiz Zafón
  • El Prisionero del Cielo de carlos Ruiz Záfon
  • El Ruido de las Cosas al Caer de Juan Gabrial Vásquz
  • Perdida num Bom Livro de Jasper Fforde
  • El Amor en los Tiempos del Colera de Gabriel Garcia Marquez
  • La Ciudad Ausente de Ricardo Piglia
  • A Rapariga que Sonhava com uma Lata de Gasolina e um Fósforo de Stieg Larsson
  • A Rainha do Palácio das Correntes de Ar de Stieg Larsson

No total são 26 livros e por isso o meu objetivo vai ser atingir o nível Mount Blanc (ler 24 livros). Pode ser um objetivo algo ambicioso mas espero, muito sinceramente, conseguir alcançá-lo. Penso que o meu principal desafio será acabar de ler as obras de Eça de Queiroz por serem muitos livros do mesmo autor, mas tentarei dividi-los de forma a não ficar estaganada no meu progresso.

Para efeitos da contagem, apenas serão válidos os livros adquiridos antes de 1 de Janeiro de 2014.

Até ao próximo post e boas leituras :)